Missões

   

Reflexões:

 
“O PRIMEIRO OBJETIVO DA PREGAÇÃO DO EVANGELHO NÃO É SALVAR ALMAS; É GLORIFICAR A DEUS. NÃO SE TOLERARÁ QUE NENHUMA OUTRA COISA, POR MELHOR QUE SEJA NEM POR MAIS NOBRE, USURPE ESSE PRIMEIRO LUGAR” (MARTYN LLOYD-JONES)
 
“O DESAFIO MISSIONÁRIO EXISTE E PERSISTE PORQUE O CULTO PLENO A DEUS AINDA NÃO EXISTE” (JOHN PIPER)
 

Junior e família nepalesa.

Querida Família brasileira,

Quero agradecer pelo maravilhoso tempo que me proporcionaram no Brasil. Cada casa que estive, cada pessoa que me deu um abraço, um seja bem vindo, um copo de suco e muito mais do que isto. Foram como sementes em meu coração. Histórias e pessoas maravilhosas que ainda não acabei de narrar tudo para a família aqui. Aos poucos me vem a memória os detalhes. Foi realmente excelente.

Fiz boa viagem de regresso ao Nepal e encontrei todos bem. A Hadassah não podia se conter de tanta alegria, o Asaf cada vez maior e minha esposa querida no controle de tudo de forma muito eficiente. Leva uns dias para se habituar ao novo fuso horário, pois aqui são dez horas de diferença, mas estou levando super-bem. É claro que passei uns dias correndo para por as coisas atrasadas em ordem. Também já fiz uma consuta médica para ver uma dor de cabeça imensa nos últimos três meses e o pelo exame o médico diz que rompeu um vaso sanguíneo dentro, mas pediu outro exame se certificar melhor e caso seja confirmado vou ter que ficar internado por quatro dias para retirar o coágulo. Não parece ser coisa séria, mas peço cobertura em oração dos irmãos.

Durante a minha ausencia do Nepal, Chirley nossos obreiros receberam uma equipe de voluntários americanos e foram para as montanhas a fazer o mesmo trabalho que costumamos fazer. É claro que vem muita gente movida pela curiosidade de ver os estrangeriros Fizeram evangelismo, passaram o filme Jesus, distribuiram folhetos e fizeram um grande culto com a presença dos convidados da regiões da montanhas. Também receberam uma equipe de oito estudantes (originados de um seminário que eu tinha ido ensinar lá na região chamada Jiri). Eles vieram para a cidade para fazer uma prática das aulas que receberam. São aspirantes ao ministério e são muito preciosos pelo fato de serem obreiros locais que podem comunicar em diferentes dialetos locais. Eles estiveram pela redondeza servindo e fazendo evangelismo. Todos na casa ministerial estão bem. Dia 12 de outubro celebramos o aniversário do Asaf. Ele completou 18 anos. Parece que foi ontem que nasceu. Pedimos oração por ele. Para que ame e busque o Senhor como a principal coisa da sua visa. Breve envio mais notícias, Um grande abraço, Junior e familia nepalesa.



De Wanderley (igreja em Brasília)

 

Carta à Igreja 

O Senhor nos moveu a cooperar com a missão em Altamira nos levando a levantar condições para adquirir um carro para nossos irmãos William e Vann. Então, com a graça de Deus e ajuda de irmãos (Anselmo de Goiânia e o Costa de Brasília), conseguimos um Fiat Uno 2000.

De posse do carro, seguimos para Altamira – Pará. Saímos de Brasília, no uno, eu (Wanderley) com meus dois filhos (Danilo e Anderson) e com o filho do Wagner (Diego). Partimos no domingo (05/12/10) e retornamos no sábado à noite (11/12/10).

Nosso trajeto de 13 horas para andar 500 km de estrada de chão na Transamazônica foi muito cansativo e em um carro sem ar-condicionado ... mas depois de conhecer histórias, inclusive de um irmão que fez este trecho em 7 dias, achamos moleza. Tivemos um quase-acidente quando fomos ultrapassar um ônibus, havia um grande buraco à frente e para desviar por pouco caíamos em um barranco, mas uma legião de anjos estava lá. Glórias a Deus! O carro apresentou alguns problemas que tivemos que consertar, os outros problemas foram pequenos.

Foi uma viagem tremendamente edificante e muito produtiva para conhecermos e discernirmos a vontade do Senhor juntos com William/Vann sobre a família, a cidade e os outros povos com os quais eles relacionam. Vimos que o Senhor tem gerado discípulos através daquela família tanto na cidade quanto entre diversas aldeias de etnias diferentes, mesmo com o casal se dedicando mais especificamente na tradução do Novo Testamento para o povo Asurini.

O Senhor tem nos lembrado fortemente que a missão não é do missionário, mas da igreja. Nestes últimos meses tem-se começado um pequeno esforço para organizarmos melhor nossas estratégias, ensinos, finanças e cuidados com tudo que deve estar envolvido em missões, principalmente as transculturais que demandam um esforço diferenciado. Estamos trabalhando para dar condições mais adequadas para os obreiros no campo. Temos revisto a forma de a igreja ensinar, noticiar e participar das missões que são de todos nós.

Vamos, em nome de Jesus, avançar cada vez mais para que não tenhamos apenas alguns heróis se desgastando junto com a família para que a obra de Deus não morra em uma localidade. O Senhor quer muitos discípulos, preparados e municiados com todo o apoio espiritual da igreja, de cuidado da vida, da família e de infra-estrutura para que estes voltem mais animados com a expansão do Reino de Deus.

Devemos buscar prover as condições para que os homens e mulheres que estão na linha de frente, possam se preocupar menos com recursos financeiros e embaraços com burocracias a fim de que estejam mais livres para proclamação do evangelho e estabelecimento da igreja.

Houve um grande esforço de Brasília e de Goiânia em adquirir este automóvel. Foi possível parcelar a compra em 3 meses, desta forma as parcelas não ficam pesadas e não se faz necessário constranger os demais irmãos. Entretanto, entendemos que precisamos trabalhar juntos. Somos milhares, sabemos que isoladamente temos muitas dificuldades, mas somos milhares! Isso é um potencial tremendo.

Para este projeto do carro, temos um alvo de 6 mil reais que entendemos que a igreja de outras localidades podem participar, depositando na conta abaixo. Esta ajuda ira recompor o caixa para futuras ações e caso a generosidade dos irmãos ultrapasse este valor, será repassado o excedente para o caixa de missões em Vitória. Esta não será uma ação isolada, e as necessidades não acabam, mas queremos que os irmãos contagiem sua localidade para cooperarmos com o que o Senhor está gerando nestes dias.

PARA IDENTIFICAR, ENVIEM MENSAGEM COM ASSUNTO “ASURINI” ou “MISSOES”, ou equivalente para diferenciar dos Dízimos POR E-MAIL para secretaria@ib.org.br 

Organização de Apoio à Igreja em Brasília

Banco do Brasil

Ag 0826-5

C/C 33717-X

CNPJ 08663963/0001-87

 

Que o Senhor os abençoe,

Comitê de Missões

"Aline Nunes Carneiro" <anc@fastmail.fm>

"Carlos Macedo" <cmquintans@hotmail.com>

"Elias Chagas" <eliaschagas@uol.com.br>

"Gilmar Luiz Mattedi" <glmattedi@hotmail.com>

"Gilmar Mattedi - Coqueiral de Aracruz" <glm@fibria.com.br>

"Laerte Zorzetti" <laerte_zorzetti@sil.org>

"Weber Ker" <weberker@hotmail.com>

“Wanderley Freitas "<wanderfr@terra.com.br>

 

--

Fé é vida em Cristo Jesus e uma vida nunca poderá ser limitada dentro de determinados sistemas ou credos - Kokichi Kurosaki


Carta à Igreja

Querida Família brasileira,

 Rm. 8.14 Pois todos os que são guiados pelo Espírito Santo de Deus, são filhos de Deus.

Saudações

Querida Igreja, obrigado por toda oração  por nós.

Foi difícil vir para Europa, em função de muitos compromissos para esta época no Brasil, mas louvado seja o Senhor pelos seus planos nas nossas vidas (pude ver mais uma vez a palavra se cumpre) "todos os que são guiados pelo Espírito Santo, são filhos de  Deus". A experiência que Deus nos deu na Bélgica é mesmo uma comprovação disto.

O Encontro

Deus colocou vários pastores de algumas nações juntos (alguns deles com suas esposas) ; fizemos um encontro com eles (pessoas que cuidamos/Eu e o Jame); e mais alguns amigos nossos. Não podíamos ter idéia do que Deus iria fazer; mas Ele fez; e nos surpreendeu, superou todas nossas expectativas.

Deus nos falou muito sobre paternidade, pastoreamento,...nos deu palavras vivas, visões, profecias, um derramar do Espírito Santo, um clima indescritível naquele lugar. "Era Deus!". Talvez essa expressão resuma o encontro que tivemos.

Talvez uma das coisas que mais pudemos dar aos irmãos foram: Nosso amor, companheirismo, "cobertura", pois vemos que o campo acaba sendo lugar de muita gente só, mas nestes dias foi como se eles encontrassem pais, amigos, família, apoio, ajuda, serviço,esperança...

As coisas que ouvimos tanto dos nativos (gente destas nações), como gente que trabalha nas nações, nos tocou profundamente; e mais uma vez nos colocou um peso para sermos a resposta de Deus para as nações (é difícil relatar o quanto choramos ao ouvir determinados testemunhos, e mesmo quando dávamos os nossos testemunhos sobre como Deus e os irmãos cuidam de nós, sentimos o Espírito Santo nos falando profundamente.

Ouvimos pastores antigos no campo missionário dizerem que participaram de inúmeros encontros; mas que aquele encontro aparentemente desprezível, sem propaganda, os fez conhecer e viver verdades que nunca tinham conhecido em todos os encontros da vida (Glorificamos o Nome de Jesus nisto), porque não temos nada de nós mesmos, mas Jesus foi o autor de toda obra que Ele mesmo fez.

Visitação

Na segunda parte da viagem visitamos uma família na Bélgica (os pais da Lisa/Futura esposa do Sanley/Discípulo da igreja em Vitoria); a sede deles em Deus, a hospitalidade,  o amor e desejo de começar a igreja na casa com a visão do reino de Deus que tem deslumbrado aquela família, nos deixou mais uma vez com o desejo de termos mais famílias na Europa.

Ministrando a palavra à Igreja Alemã

Ministramos à Igreja Alemã no domingo pela manhã (Deus nos deu uma palavra oportuna),  e trouxe uma reação preciosa aos Alemães. No domingo a noite ministramos no grupo Latino, onde há representantes de muitas nações, dentre elas o Brasil, foi mais uma vez uma bênção a palavra que Deus nos deu, e também a resposta da igreja a palavra.

Em Suíça

Seguimos para Suíça Francesa e visitamos o Gustavo e a Maira (recém casados e discípulos da igreja em Vitoria que mudaram recentemente para Lausanne na Suíça),  foi muito bom revê-los e poder orar, fortalecer e compartilhar com eles (foi mais um tempo de comunhão e lágrimas); pudemos comer uma boa picanha com queijos Suíços , e animá-los sobre o que Deus quer fazer com eles naquela cidade. (Gustavo faz doutorado na área de Física Nuclear).

Na viagem de volta de Lausanne passamos por Trunbach/Suíça, na casa do Manoel/Carme(discípulos conhecidos por nós. Ele, violinista e ela, doutora em engenharia de matérias. Foi mais uma visita; com um tempo de oração e compartilhando sobre o propósito de Deus naquele lugar.

Viajamos para Ascona na Suíça Italiana. Fomos muito bem recebidos pela Marina eAna Paula; elas são brasileiras casadas com Suíços já há alguns anos; com filhos Suíços (são comprometidas, batizadas, e cheias de amor por Jesus) Ali temos muitas portas abertas para Deus trabalhar na igreja; foi um tempo lindo; elas moram ao lado do lago Maggiori no estado de Tichino; na Suíça Italiana; ali temos lugares maravilhosos bem próximo a casa delas. Vemos os Alpes Suíços(já como muita neve, e paisagens paradisíacas), este lago que falei acima é um lugar fantástico , e muitas montanhas no caminho de chegada e saída; a viagem em si, nos dava estes presentes ao longo de todo trajeto. Essas irmãs precisam de ajuda. Há muita demanda de proclamadores da verdade, por toda cidade se vê muitas pessoas necessitadas e abertas a ouvirem a respeito da palavra do Senhor. Essas irmãs trabalham voluntariamente na cidade.Uma com crianças e dança e outra como professora, sendo assim sempre possuem muitos contatos e são bem próximas a essas pessoas.

Falamos sobre a possibilidade de fazermos um trabalho social com o governo daquela cidade e assim abrirmos outros contatos para estabelecermos o reino de Deus; mas precisamos de gente cheia de Deus e disponível para fazer a obra. Nisso cumpre-se a Palavra quando diz: "Verdadeiramente a obra é grande e os ceifeiros são poucos" (Mt. 9 35.38) Passamos pela Itália, Áustria, Alemanha.

Seguindo nossas experiências de oração, palavra e um tempo de edificação;  e retornamos pela Bélgica; despedindo do Wallace e Beth, nossos companheiros de viagens nestes dias. Foi muito bom estar com eles e fazermos a obra juntos. Também tivemos a companhia do Sergio/Margarida; que moram na Alemanha e são nossos anfitriões, aos quais damos honra por todo programa de viagem, pelos contatos com pastores, irmãos em diversas localidades, honramos também o serviço e tantas outras benécias desses dias. Louvamos a Deus de todo nosso coração por eles e pedimos a toda igreja para inclui-los em vossas orações.

Concluindo 

Deus em todo o tempo nos guardou e nos ajudou, fez a obra através de nossas vidas e estamos voltando cheios de alegria e gratidão por seu amor e cuidado.

No amor de Deus,

Vinci, Sergio/Margarida(nossos companheiros na Alemanha),

Walace/Beth(presbítero em Florianópolis)